Primeiro caso de sarampo é registrado na região Sul

A criança de 2 anos está internada no HNSC, em Tubarão.

Foi confirmado o primeiro caso de Sarampo na região Sul de Santa Catarina. Uma criança de 2 anos está internada no Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão, e encontra-se isolada recebendo tratamento adequado.

Neste ano, mais de 1.690 casos de sarampo foram registrados no País em 2019. Até a segunda-feira da semana passada, Santa Catarina tinha 15 casos importados e confirmados e outros cinco em investigação. Além do Estado, outras 11 unidades federativas encontram-se com surtos ativos de sarampo. São Paulo(1.662), Rio de Janeiro (6), Pernambuco (4), Goiás (1), Paraná (1), Maranhão (1), Rio Grande do Norte (1), Espírito Santo (1), Bahia (1), Sergipe (1) e Piauí (1).

Desde o início do surto no País, foram confirmados 12 óbitos da doença: Roraima(4), Amazonas(6) e Pará(2). Em Pernambuco um óbito está em investigação.

Conforme a Diretoria de Vigilância Epidemiológica de Santa Catarina (Dive), a vacina é a única forma de prevenir o sarampo. A recomendação é para que todos os moradores que não tenham tomado a vacina, não se lembrem ou tenham perdido a caderneta de vacinação, procurem uma unidade de saúde para regularizar a situação vacinal. Uma pessoa com sarampo pode transmitir a doença para uma média de 12 a 18 pessoas que nunca foram expostas ao vírus anteriormente ou que não tenham se vacinado.

O sarampo é uma doença infecciosa, transmitida por vírus e que pode ser contraída por pessoas de qualquer idade. As complicações decorrentes da doença são mais graves em crianças menores de 5 anos. O vírus é transmitido pela respiração, fala, tosse e pelo espirro. As micropartículas virais ficam suspensas no ar – daí o alto poder de contágio.

Os sintomas mais comuns são: febre alta, dor de cabeça, exantema (manchas avermelhadas na pele que aparecem primeiro no rosto e atrás da orelha e depois se espalham pelo corpo), tosse, coriza e conjuntivite. Como não existe tratamento específico para o sarampo, é importante ficar atento caso alguém com quem teve contato fique doente.

Nota à imprensa

O Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), de Tubarão (SC), informa que o paciente J.P., de 2 anos, recebeu alta da unidade nesta terça-feira, 27 de agosto de 2019. O menor, que é de Içara, município que fica a 50 km de Tubarão, deu entrada no dia 21 de agosto no Hospital com suspeita de sarampo, apresentando manchas avermelhadas pelo corpo, febre, coriza e tosse. Imediatamente, a equipe médica tomou as medidas de precaução, como o uso de máscaras, o isolamento da criança e encaminhamento para o Núcleo de Epidemiologia do HNSC, onde ficou internado. Após confirmação da doença, o tratamento foi sintomático, isto é, visando ao alívio dos sintomas, já que o sarampo é autolimitado, e o paciente não apresenta mais risco de contaminação.

O HNSC comunicou o caso à Vigilância Epidemiológica e iniciou o bloqueio vacinal, levantando todas as pessoas que tiveram contato com o paciente contaminado para garantir a imunização. Durante todo o mês de agosto, em campanha interna, a vacina VTV (Tríplice Viral) foi oferecida em duas doses a todos os colaboradores do Hospital.

Brasil

No Brasil, o esquema vacinal funciona da seguinte forma: crianças de 12 meses a menores de 5 anos recebem uma dose da vacina aos 12 meses (tríplice viral) e outra aos 15 meses (tetra viral) — em casos de surtos, recomenda-se a aplicação de uma dose em crianças de 6 até 11 meses.

Já pessoas de 5 a 29 anos que perderam a oportunidade de serem vacinadas anteriormente recebem duas doses da vacina tríplice viral. Adultos de 30 a 49 anos recebem uma dose da vacina tríplice viral.

Por: José Luiz Madeira | Voz Livre
Fonte: Notisul
Foto: Ilustrativa