Polêmica sobre contaminação da água chega à Câmara

Na noite da última segunda-feira (25) aconteceu, no plenário da Câmara de Vereadores de Orleans, mais uma sessão ordinária do Legislativo.

 TRAÇOS DE AGROTÓXICO NA ÁGUA

Durante o uso da tribuna, o vereador Paulo Cannever trouxe à Casa de Lei o assunto que movimentou a região no último final de semana: reportagem do jornal Diário Catarinense que coloca Orleans em uma relação de municípios catarinenses que teria, segundo a matéria, contaminação na água distribuída aos cidadãos.

Para Canever, o assunto é grave e precisa ser esclarecido, pois se trata de Saúde Pública. Em à parte, o vereador Osvaldo Cruzetta afirmou que o tema é polêmico e que a população exige uma resposta. Cruzetta sugeriu que a Casa, através do presidente Hildegart Durigon, encaminhe convite ao diretor do Samae, Fábio Echeli Bett e ao Superintendente do Cisam- Sul, Antônio Willemann, para que eles, na sessão da próxima semana, compareçam à Câmara para prestar esclarecimentos sobre o fato.

A administração municipal de Orleans emitiu, na tarde desta sexta-feira (22), nota de esclarecimento à população em virtude de reportagem publicada, no jornal Diário Catarinense, de grupo NSC, que menciona o município de Orleans na matéria  “Água de 22 cidades tem rastros de agrotóxicos”.

O presidente do Legislativo, vereador Hildegart Durigon, também em à parte, fez questão de frisar que o Município deve ser ouvido, antes de que a polêmica tome proporções ainda maiores. Segundo ele, a reportagem lhe pareceu tendenciosa, já que cita o município, afirmando que existe contaminação, por agrotóxicos, na água, e no final afirma que os “valores” estão dentro do permitido.

Em consenso, os vereadores tomaram a decisão de solicitar que os relatórios de análise, tanto do Samae, quanto do usado pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), sejam encaminhados ao Legislativo de Orleans para análise.

De acordo com o vereador Lucas Librelato, existe a necessidade de trazer a público os critérios usados pelos técnicos da UFSC para o levantamento, se a suposta contaminação atinge realmente todos os domicílios de Orleans ou se trata de um caso isolado.

Por: Cristiano Alves Jornal Destaque