Padre Cornélio Dal’Alba usa tribuna da Câmara de Orleans e da ultimato ao Prefeito Jorge Koch

Com discurso fundamentado na história da instituição em Orleans, e com aval da população, o Padre usa até citações bíblicas para exigir a revogação do decreto municipal 4.572.

A câmara de vereadores de Orleans ficou pequena para tamanha participação popular, que compareceram em massa para prestigiar e dar apoio ao Padre Cornélio e a congregação dos Josefinos de Murialdo.

Padre Cornélio inicia sua fala dando um ultimato ao prefeito “Estamos aqui para dar um ultimato ao famigerado e infeliz decreto 4.572, de autoria do Drº Jorge Koch, Prefeito Municipal e Mário Coan, vice-prefeito, quero alertar Srº Jorge Koch e seu vice, para ouvir o povo de Orleans que está aqui clamando indignado para que revogue este decreto hoje á noite”, alerta o Padre.

O Padre ainda garantiu que a congregação vai retornar com as atividades em Orleans e que já tem projeto de um novo Colégio Murialdo.

Os vereadores presentes, com exceção do presidente Hildegart T. Durigon, foram todos contra o decreto e se manifestaram favorável ao Pe. Cornelio. O Presidente chegou a encerrar a sessão por causa das manifestações do público presente, já que o regimento interno não permite manifestação, mas o Pe. Cornélio interviu perante ao público e a sessão pode ir até o final.

A Congregação de São José, também conhecida por Josefinos de Murialdo, foi fundada por São Leonardo Murialdo em 1873, em Turim, na Itália, foi assim denominada por ter como patrono principal São José. Sua sede atualmente encontra-se na cidade de Roma, na Itália. No Brasil a dimensão civil da congregação se expressa através do Instituto Leonardo Murialdo (ILEM), com sede em Caxias do Sul – RS. Os Josefinos de Murialdo chegaram ao Brasil em 1915, e desde de 1959 estão em Orleans.

A finalidade da congregação é a educação integral de crianças, adolescentes e jovens empobrecidos. Seu objetivo é educá-los para a cidadania, formando bons cristãos e cidadãos honestos, em colégios, obras sociais e assistenciais e paróquias.

Por: José Luiz Madeira | Voz Livre                                                                      Colaboração: Alessandro Reis