Micros e pequenos empresários do comercio não tem intenção de investir

O índice de demanda de investimento até cresceu entre maio e junho (de 46,6 para 48,3 pontos na escala de 0 a 100), mas permaneceu abaixo da média.

Apesar de leve crescimento em junho, maioria dos empresários pretendem esperar, é o que diz uma pesquisa nacional realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostrou que a maioria dos micro e pequenos empresários não pretende investir.

A maioria dos empresários que não pretendem investir não vê necessidade, opção citada por 45% deles, ou relata a percepção de que o país ainda não saiu da crise, opção citada por 31%. Há ainda 24% de entrevistados que já investiram recentemente e aguardam retorno.

Entre aqueles que pretendem realizar investimentos nos próximos meses, a maioria tem finalidade de aumentar as vendas, opção citada por 58%, além da adaptação da empresa a uma nova tecnologia (30%), necessidade de atender uma demanda que aumentou (25%).
Os destinos dos investimentos mais citados são compra de máquinas e equipamentos (30%), ampliação de estoques (22%), reforma da empresa (19%) e divulgação em mídia e propaganda (16%).

A origem dos investimentos será, para a maioria, o capital próprio.
“A lenta recuperação da crise leva muitas empresas a operarem com capacidade ociosa e, em alguns casos, até a redução do quadro de funcionários. Em meio a esse ambiente, os investimentos são adiados”, explica o presidente do SPC Brasil, Roque Pellizzaro Junior.

Por: José Luiz Madeira | Voz Livre
Fonte: Adjori
Foto: Divulgação Web